segunda-feira, 10 maio de 2021

Balneabilidade das praias

Balneabilidade e os critérios que definem uma praia própria para banho

Balneabilidade das praias – No Brasil e no mundo, os banhistas contam com um grande aliado. Na hora de escolher onde frequentar: os indicadores de balneabilidade. Normalmente promovidos por órgãos governamentais. Estes testes visam classificar a qualidade das águas de determinada praia.

Balneabilidade das praias
Mova o mapa para as laterais e consulte a balneabilidade de sua cidade.

O  conceito de balneabilidade é este. A capacidade que um local tem de possibilitar o banho e atividades esportivas em suas águas.  A avaliação de balneabilidade representa a qualidade das águas. Destinadas à recreação de contato primário. É desta ideia que surgem as famosas bandeiras verdes e vermelhas. Que identificam as praias como próprias para banho, ou não.

No Brasil elas são regularizadas por resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Implantada em 2001. Após a análise laboratorial. As praias podem receber quatro classificações diferentes – excelente, muito boa, satisfatória ou imprópria. De forma simplificada. Chega-se às duas categorias: própria e imprópria.

Histórico

O Programa de Balneabilidade das Praias Paulistas é desenvolvido pela CETESB desde 1968. Com o início das amostragens limitado às praias da Baixada Santista. Estendendo-se posteriormente a todo o litoral. As avaliações começaram a ser feitas com base na legislação estadual (Decreto no 52.490/70). Classificando as águas de acordo com seu uso principal.

A partir de 1974 o programa foi intensificado. Passando a realizar a determinação sistemática e periódica de coliformes fecais em 5 amostragens mensais. A CETESB passou a ter por base os parâmetros definidos pela Portaria 01/74 da SEMA – Secretaria Especial do Meio Ambiente. Órgão federal.

Balneabilidade das praias

Em 1976, foi editada a Portaria 536. Que estabeleceu cinco categorias para a classificação das praias: Excelente, Muito Boa, Satisfatória, Suspeita e Má. Conforme as densidades de coliformes fecais ou totais. De um conjunto de amostras obtidas em cinco semanas consecutivas. Para simplificar a divulgação dos resultados. Passou-se a usar a classificação como Própria ou Imprópria.

Dez anos mais tarde essa portaria foi substituída pela Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama 20/86. Que definia quatro categorias para classificação das praias: Excelente, Muito Boa, Satisfatória e Imprópria. Podendo agrupar-se as três primeiras na categoria Própria. A forma de análise permaneceu a mesma da Portaria anterior.

A partir de janeiro de 2001 a avaliação da qualidade das águas das praias. Está sendo realizada segundo os critérios estabelecidos na Resolução Conama n.º 274/00. Publicada em dezembro de 2000. A nova resolução introduziu outros indicadores de contaminação fecal e manteve a classificação das praias. De acordo com as densidades resultantes de análises feitas em cinco semanas consecutivas.

Site da CETESB!

Confira as Balsas!

Balneabilidade das praias

Balneabilidade das praias

TÁ NO AR! VISH TÁ OFF
track image
Loading...